Tratar informação estatística é muitas vezes um desafio para os profissionais da informação. O livro “Que número é este?”, da Fundação Francisco Manuel dos Santos, propõe-se a ajudar.

À volta dos números, há muitas histórias que podem ser contadas. Quando algo muda, quando existem surpresas, quando são inéditos. “Os problemas, por vezes, escondem-se onde nós nem imaginamos”, diz Maria João Valente Rosa, diretora da Pordata e uma das autoras da obra “Que número é este?”.

Numa iniciativa da Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), que lançou até hoje oito portais com dados estatísticos, o livro pretende orientar os jornalistas na utilização dos números na construção das notícias. As estatísticas “são cada vez mais importantes neste mundo em que nos movimentamos”, sustenta a investigadora.

Mas os números que chegam às redações em comunicados de imprensa, anúncios ou relatórios não falam por si mesmos. “É preciso perceber como foram construídos, as suas origens e dar-lhes contexto para, a partir delas, conseguir contar a história”.

Os jornalistas têm um papel importante na disseminação da informação. Nesse sentido, “a estatística está muito próxima dos jornalistas, pelo que é preciso entrarmos neste mundo e sabermos retirar de lá aquilo que é essencial”, diz. Até porque há quebras de série que podem afetar comparações. Dividido em 22 capítulos, o guia inclui definições de conceitos, exemplos práticos e alertas sobre situações a evitar. Está disponível em formato impresso, mas pode ser descarregado gratuitamente na Internet.

A FFMS foi criada em 2009 e promove o estudo dos grandes problemas nacionais, promovendo o debate e o conhecimento na sociedade. Estão ligadas à fundação duas das autoras do livro, Maria João Rosa e Luísa Barbosa, a quem se juntou o jornalista Ricardo Garcia.

Os três vão falar sobre “Que número é este?” este sábado, às 19h30, no espaço da Feira do Livro, no Cinema São Jorge. A sessão é moderada por Helena Garrido.